UpBrain é destaque entre edtechs brasileiras

UpBrain é destaque entre edtechs brasileiras

A UpBrain, plataforma de cursos online EAD/LMS, é mais uma vez destaque entre as edtechs brasileiras – como são chamadas as startups voltadas para o campo educacional. O nome da empresa de Ribeirão Preto foi citado no Distrito EdTech Report, mapeamento que cita mais de 400 iniciativas que estão impactando a educação do Brasil pela tecnologia.

No estudo, o universo
da Educação é dividido em sete categorias que passam pelo processo completo de
transformação do ensino. Ferramentas para instituições (25,4%), que são as
startups que desenvolvem soluções para instituições tradicionais de ensino, é a
categoria que engloba o maior número delas.

Na sequência
estão Novas formas de ensino (20,8%); Plataformas para a educação (17,3%);
Ensinos específicos (17,1%); Foco no estudante (12,7%); Conteúdo educativo
(4,2%); e Financiamento do ensino (2,5%).

Todas elas
possuem subcategorias que ajudam a construir um panorama e também a compreender
de forma abrangente a organização do setor. A UpBrain é um entre oito Sistemas
de gestão do aprendizado selecionado (LMS), subcategoria inclusa em Plataformas
para a educação.

De acordo com o
report, esses “ambientes virtuais que tratam de todo o acompanhamento do aprendizado
do usuário final, seja no âmbito acadêmico ou corporativo” resolvem problemas
como o desenvolvimento de um sistema próprio de ensino, que é caro e
trabalhoso.

Wagner Barrico Junior, fundador e CEO da UpBrain, afirma que a evolução das Edtechs Brasileiras está cada vez maior e quem ganha com isto é o mercado como um todo e principalmente e peça-chave final de todo o processo que é o aluno. O acesso à um ensino de qualidade e com grandes nomes do mercado tem ficado cada vez mais fácil e mais acessível.

Sudeste é o maior polo Edtech

A educação está
consistentemente entre os mais importantes temas segundo os brasileiros. Ainda
assim, posicionado entre os 10 países mais desiguais do mundo, o Brasil possui
mais de 11 milhões de analfabetos e quase metade dos cidadãos entre os 25 e 65
anos não completaram o ensino médio.

Em meio a esse
cenário, empreendedores de todo o País estão buscando aliar a tecnologia a
ideias inovadoras que permitem criar novas estruturas para o ensino. Das 434
iniciativas citadas nesse estudo, 229 surgiram nos últimos cinco anos.

O Sudeste é
aonde possui a maior concentração das edtechs, com 63,5%. O Estado de São Paulo
representa 41,6% desse total. A região Sul possui 20,7% das iniciativas,
seguida pelo Nordeste, Centro-Oeste e Norte, com 8,2%, 6,4% e 1,3%.

Apesar da
presença predominante no eixo Sul-Sudeste, o setor de edtechs é o que apresenta
a melhor distribuição pelo País. No caso das fintechs, as duas regiões abrigam
mais de 92% das startups de serviços financeiros.

No estudo
também foi analisado o tamanho das startups desse nichos, que mostrou que quase
40% delas possuem apenas até cinco funcionários. Já as que possuem mais de 200
colaboradores equivale 2,9% do total de edtechs.

O estudo completo, que mostra um mapa com as startups brasileiras que estão se dedicando à educação no Brasil pode ser conferido no site da Distrito.