Economia criativa: o que é e por que você precisa saber sobre ela

Economia criativa: o que é e por que você precisa saber sobre ela

“É importante colocar que a economia criativa não é um jeito criativo de fazer economia. Longe disso. Economia criativa é aquela que, com criatividade, potencializa um campo”.

Adriana Silva, Diretora Geral do Instituto Ribeirão 2030 e educomunicadora

Você provavelmente já ouviu o termo “economia criativa” antes. Porém, se pensou que ela era nada mais que uma maneira nova de economizar ou gastar dinheiro, preste atenção nesse artigo.

Criatividade é a capacidade de inventar, criar ou produzir novidades, e você já deve ter reparado que a produção e o consumo no mundo atual passam por essa questão, valorizando cada vez mais as diferentes capacidades humanas.

As empresas que seguem um conceito de inovação vêm conquistando mais espaço no mercado, colocando em prática os princípios da economia criativa, que são cada vez mais humanos, vivos e colaborativos.

Mas o que é economia criativa?

A economia pode ser definida como “atividade nas quais resultam em indivíduos exercitando a sua imaginação e explorando seu valor econômico”. A definição é do professor inglês John Howkins, que escreveu o livro The Creative Economy – em português, A Economia Criativa.

Os princípios da economia criativa englobam “processos que envolvem a criação, a produção e a distribuição de produtos e serviços. Para isso, usa o conhecimento, a criatividade e o capital intelectual como principais recursos produtivos”.

Quer um resumo? A economia criativa é um negócio criado a partir da criatividade e que gera valor econômico. Esse formato de economia abrange a criação, produção e distribuição de bens e serviços que usam criatividade, cultura e capital intelectual como matéria prima.

Porém, é importante salientar que nem toda atividade que envolve criatividade faz parte da economia criativa. Para que se encaixem no conceito, as produções, sejam elas físicas ou digitais, precisam gerar algum tipo de valor à indústria.

Como funciona a economia criativa?

Antes de entender como funciona a economia criativa é importante lembrar que a criatividade pode (e deve) ser muito produtiva. O objetivo não é mais o número de horas trabalhadas, mas sim a qualidade do que foi feito durante esse período de tempo.

Para uma empresa funcionar de acordo com os princípios da economia criativa, ela deve aumentar os investimentos em áreas como as de educação e qualificação. Por quê? Colaboradores que recebem motivações e estão sendo constantemente qualificados possuem maior chance de compartilhar ideias e sugestões para o grupo, que faz parte da filosofia da economia criativa.

Investimentos na inclusão social, inovação, diversidade e sustentabilidade são alguns dos princípios da economia criativa. Portanto, ser uma empresa que oferece essas características na rotina é um diferencial na hora de manter seus principais talentos.

Empresas que investem em soluções criativas não apenas contam com colaboradores mais motivados, como também contribuem para a melhora da sociedade.

Por que a economia criativa é um mercado crescente?

A resposta é simples: porque ela transforma. Profissionais criativos geram valor não monetário aos produtos e serviços, já que a constante inovação e competitividade entre as empresas fazem com que a busca por profissionais criativos só aumente.

Quais os principais objetivos da economia criativa?

Entre os objetivos que a economia criativa busca alcançar estão a valorização e promoção de expressões culturais, a garantia do desenvolvimento socioeconômico das atividades e o estímulo oferecido à empreendimentos criativos, que também impulsiona a inovação em todos os sentidos.

Uma empresa tem como dever estimular essas ações e valorizar as capacidades únicas de cada colaborador. Entender os talentos de cada um e fazer com que a criatividade seja aflorada. Agora comece a pensar de que maneiras você consegue levar os princípios da economia criativa para seu ambiente de trabalho e, com dedicação, colher os benefícios dessas mudanças.