Como criar um processo de integração de colaboradores em seis passos

Como criar um processo de integração de colaboradores em seis passos

Ao entrar em uma nova empresa, o colaborador precisa passar pela experiência de iniciar atividades e conhecer a equipe que irá integrar. Em qualquer início de carreira, é normal se sentir inseguro, ter medos e levar um tempo para se acostumar ao funcionamento da organização e às especificidades da função.

Por esses motivos que as empresas estão cada vez mais adeptas ao onboarding. Com esse processo, é possível não apenas auxiliar os novos colaboradores, como também transformar esse período de adaptação em uma vivência produtiva e de integração do recém-contratado à equipe.

O onboarding de novos funcionários se torna cada vez mais fundamental para estimular o engajamento, permitir que a pessoa conheça a fundo o dia-a-dia da empresa e também os valores, missão e cultura organizacional da instituição.

Agora que você entendeu o que é o onboarding, o que acha de implantar o processo na sua empresa? Siga a leitura e confira os seis passos para transformar a teoria em prática na sua companhia!

1 – Prepare o novo funcionário antes mesmo da contratação

Não espere o primeiro dia de trabalho do novo funcionário para pensar em sua experiência de integração. Toda organização precisa de uma estratégia abrangente que possa ser personalizada para diferentes locais, departamentos, equipes e funções de trabalho.

A assimilação começa no momento em que o novo contratado aceita a oferta de emprego e segue até o final do período de experiência. Antes mesmo do primeiro dia de trabalho, é possível apresentar ao profissional:

  • Links para canais de mídia social internos
  • Mapa do site do escritório
  • A história, cultura e missão da empresa
  • Formulários com informações essenciais, como dados bancários e detalhes para treinamentos

2 – Priorize a experiência do funcionário

Os recém-contratados prestam atenção em tudo que acontece no trabalho nas primeiras semanas. Portanto, é relevante oferece uma experiência integrada, que impacte positivamente a vida diária no local de trabalho. Isso deve incluir o bem-estar físico, emocional, profissional e financeiro do novo colaborador.

Essa experiência começa antes mesmo do que você imagina: no processo de recrutamento. E esses benefícios durante o recrutamento podem ser anulados por um período de integração bagunçado e sem aprendizado, podendo inclusive levar o funcionário a pedir demissão.

Os primeiros 90 dias de trabalho são fundamentais para construir um relacionamento com a empresa, com os líderes e também as equipes. Portanto, pense sobre a integração de funcionários na perspectiva da própria pessoa.

Lembre-se como foi o seu início na organização e avalie seu processo de adaptação: o que lhe foi útil e o que faltou ser feito? E também busque conversar com quem foi contratado recentemente na empresa para ter outras opiniões.

3 – Não tente dar um passo maior que a perna (ou forçar essa atitude no colaborador)

Todos somos diferentes, portanto vamos nos adaptar a novas situações de maneiras diferentes. Para muitos, a enorme quantidade de informações a serem absorvidas em pouco tempo pode causar ansiedade.

Permita que o novo empregado tenha um ritmo mais lento nas primeiras semanas e acompanhe sua jornada. Garanta que o processo de integração contenha apenas informações essenciais, sendo de fácil compreensão.

O processo de onboarding deve ser motivador e inspirador, incluindo reuniões individuais com os gerentes sobre metas e objetivos de desempenho pessoais de forma a alinhá-las aos objetivos organizacionais desde o primeiro dia.

4 – Personalize a experiência

Apesar de ser recomendado criar um programa padrão de integração de colaboradores, pequenas adaptações para cada um dos recém-contratados podem ser de grande auxílio. Isso inclui:

  • Objetivos e metas de desempenho
  • Recompensas e benefícios para o tipo de cargo que a pessoa exercerá
  • Especificidades da função ou departamento e treinamentos necessários para o cargo

5 – Seja claro sobre as formas de avaliação de desempenho

Grande parte das empresas trabalham com métodos de avaliação de desempenho de suas equipes. Assim que entra uma nova pessoa para o quadro de colaboradores, ela precisa ser informada sobre isso.

Ela é avaliada através de treinamentos ou provas online? Ou recebe um feedback após terminar algo que ficou sob sua responsabilidade?

Ao saber como funcionam as avaliações, o empregado passa a entender mais sobre o que a empresa quer dele. Como resultado disso ele percebe que ambos estão trabalhando para crescer em conjunto.

Explicar sobre as formas de avaliação no treinamento de integração permite que o colaborador sinta que uma cobrança ou chamada de atenção não é uma perseguição por ele ser novo na empresa. Mas sim algo que está contribuindo para seu crescimento como profissional.

6 – Revise e refine cada vez mais o processo de integração

Toda vez que um novo colaborador for contratado para fazer parte da instituição, você ganha a oportunidade de identificar aspectos no processo que precisam de ajustes.

Lembre-se: pessoas diferentes terão expectativas diferentes e experimentarão o processo de maneiras diferentes. Assim, quanto mais dados e evidências você coletar, mais sofisticado e inteligente será o seu refinamento dos processos de sua organização.

E quando o processo de integração de um colaborador for concluído, que tal solicitar uma avaliação? Você pode inclusive oferecer um formulário na plataforma de ensino para deixar a pessoa mais confortável para escrever o que realmente achou da experiência.

Algumas perguntas que você pode fazer são:

  • Qual foi a sua experiência geral do processo de integração?
  • Qual foi a parte mais útil ou eficaz do programa?
  • O que você mudaria ou gostaria de ver melhorada?
  • A cultura organizacional foi refletida com precisão?
  • Faltou algo no processo que teria facilitado os seus primeiros dias?

O onboarding é uma ótima opção para fazer o colaborador se sentir acolhido, engajado e produtivo desde o momento da contratação. Que tal implantar esse método na sua empresa?

FONTE: Bettha